Gastos abaixo do necessário podem acirrar debates sobre o Orçamento

Gastos abaixo do necessário podem acirrar debates sobre o Orçamento

Contas baseadas no salário mínimo ficaram sem correção na proposta, e despesas com o piso salarial apresentam defasagem

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional deverá começar a discutir nesta quarta-feira (24) o parecer final apresentado pelo relator-geral, senador Marcio Bittar (MDB-AC), com chances de polêmica sobre a proposta orçamentária para este ano (PLN 28/20).

Um dos pontos que poderão ser questionados é o impacto do salário mínimo. No começo do mês, o deputado Júlio Cesar (PSD-PI) questionou Marcio Bittar sobre o assunto – queria saber qual valor seria usado nas contas, se R$ 1.067, como anotou o Poder Executivo em agosto, ou R$ 1.100, que está vigente.

“O relator-geral escreveu que o salário mínimo em 2021 é de R$ 1.067, e está vigendo R$ 1.100”, afirmou Júlio Cesar. “Está certo, é isso mesmo”, respondeu Bittar, explicando que usou dados originais definidos pela equipe econômica.

Em novembro, o Executivo alterou os parâmetros macroeconômicos no texto enviado. A inflação medida pelo INPC em 2020, no entanto, foi maior do que o previsto, impactando a correção do salário mínimo em janeiro. Várias contas baseadas no piso salarial, no entanto, ficaram defasadas no PLN 28/20.

R$ 8 bilhões a menos
Feita a pedido da bancada do Psol, uma análise da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados mostra que, com o salário mínimo no valor de R$ 1.100, a previsão para benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) no parecer do relator-geral está cerca de R$ 8,3 bilhões aquém do necessário.

A estimativa da consultoria da Câmara, feita no dia 17, foi corroborada ontem pelo Ministério da Economia. Em relatório bimestral sobre receitas e despesas assinado no dia 22, a equipe econômica diz que, em relação ao texto original do Executivo, faltarão R$ 8,5 bilhões para gastos com benefícios previdenciários.

Na visão do consultor da Câmara Ricardo Volpe, os debates sobre as eventuais defasagens na proposta orçamentária ajudariam pouco no momento, já que a tramitação do Orçamento está muito atrasada. Pela Constituição, no limite a proposta para 2021 deveria ter sido aprovada pelo Congresso em dezembro.

“Os problemas que precisariam ser equacionados neste Orçamento são complexos e estão ainda mais incertos em razão da pandemia de Covid-19”, disse Volpe. “O relator-geral não tem condições de equacionar sem uma mensagem modificativa enviada pelo Executivo. Então, o melhor é aprovar.”

Além da defasagem nas dotações, que a equipe econômica poderá corrigir depois, só com a aprovação do Orçamento poderão ser quitados cerca de R$ 451,1 bilhões que dependem de autorização do Congresso para contornar a “regra de ouro” – com Fundeb, servidores civis e militares e algumas estatais.

A presidente da Comissão de Orçamento, deputada Flávia Arruda (PL-DF), disse que a proposta orçamentária para este ano deverá ser votada pelo Plenário do Congresso nesta quinta-feira (25), sem falta. O presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ainda não definiu o horário da sessão.

Fonte: Agência Câmara de Notíciashttps://www.camara.leg.br/noticias/739145-gastos-abaixo-do-necessario-podem-acirrar-debates-sobre-o-orcamento/

Deixe uma resposta

Fechar Menu